facebook_pixelCase Study - studio thonik, Amsterdam | Projectista
Trespa

Case Study – studio thonik, Amsterdam

Data de publicação

Surpreendentemente diferente: um projeto com uma missão em Amesterdão.

Design: Thomas Widdershoven (thonik) em colaboração com MMX architecten – Fotos: © Ossip van Duivenbode

Casas de tijolo centenárias, tipicamente estreitas, as suas fachadas renascentistas refletidas nos “grachten” da Cidade Velha, o sistema de canais omnipresente, esta é a imagem ligeiramente cliché evocada sobre Amesterdão e não poderia estar mais longe da arquitetura contemporânea e ousada. No entanto, os Países Baixos têm sido um núcleo para a arte moderna e inovação do design radical desde a década de 1920, algo que devemos às mentes criativas holandesas, desde Piet Mondriaan a Gerrit Rietveld, passando por Rem Koolhaas, algumas das evoluções mais disruptivas na forma como interagimos com as cores, os formatos e os espaços de convivência. Nesse sentido, o “estúdio thonik”, um novo edifício em Amesterdão que se tornou instantaneamente icónico, não é assim tão inesperado como poderia parecer à primeira vista.

No entanto, é altamente incomum em mais do que um aspeto. Uma incursão pela arquitetura por um designer gráfico talentoso que é, ao mesmo tempo, o proprietário do edifício, desafiou convenções desde o início. Uma construção polivalente, com flexibilidade incorporada a longo prazo, é sustentável não apenas pela sua execução, mas também pelo seu próprio conceito. Além disso, com as suas fachadas deslumbrantes às riscas, transformou um pequeno, pouco promissor e desinteressante espaço em Wibaustraat, a principal artéria a sul do centro da cidade, num marco de um dia para o outro.

Quebrar as regras

O revestimento único do edifício e a ousada escadaria externa que divide a fachada principal em duas fazem um uso notavelmente original dos painéis Trespa® Meteon® em duas cores sólidas – Athens White [Branco Atenas] e New York Grey [Cinza Nova Iorque]. Thomas Widdershoven, fundador da agência de design thonik juntamente com Nikki Gonnissen, explica: “a thonik foi fundada em 1993 e, entretanto, passámos do analógico para o digital. Mas além das imagens, somos fascinados pelo design gráfico espacial. O que teria sido mais adequado para explorar esta nova área do que projetar o nosso próprio edifício? E foi o que fizemos. No entanto, para dar seguimento ao projeto precisávamos de um parceiro de luta de mente aberta e muito capaz, algo que encontrámos em Arjan van Ruyven, da MMX-architecten”.

Com um portfólio que inclui o Botel, um “barco-hotel” coroado por um logótipo gigante feito de letras habitáveis, projetado em colaboração com Jord den Hollander, a MMX deixou bem claro que são especialistas em combinar pensamento fora da caixa e conhecimento técnico.

Arjan van Ruyven resume: “O Thomas tinha todas as ideias, ele estava interessado em manter o controlo total. Tal foi ótimo para mim: Eu gosto de pessoas sinceras com opiniões fortes. Ao mesmo tempo, ele precisava de alguém para desenvolver ainda mais a estrutura que é ao mesmo tempo um edifício, uma escultura e uma transcrição totalmente exata do seu conceito original, esta foi a minha contribuição enquanto arquiteto”.

Thomas Widdershoven continua: “O meu objetivo era, desde o início, o impacto visual das fachadas “abertas e fechadas”. Queria alternar janelas do chão ao teto com um padrão simples e rigoroso de riscas para obter um impacto visual bem equilibrado. Enquanto designer gráfico, gosto de riscas. É algo que eu compreendo e acho que sei como as utilizar bem. Mas este era apenas um dos aspetos do projeto. Queria que o nosso novo edifício fosse uma afirmação, para cumprir uma missão que iria muito além da sua função primária e do aspeto que tem”.

Thomas destaca: “Antes de mais nada, o espaço interior tinha de ser extremamente versátil, os quatro andares superiores, por exemplo, são atualmente escritórios, mas podem tornar-se apartamentos no futuro, já os dois andares inferiores podem ser usados como restaurante, como é o caso agora, ou transformados em espaço de retalho. Depois, o edifício tinha de cumprir as normas de eficiência ZNC (do inglês Zero Net Carbon – Zero Carbono Líquido). E, finalmente, todo o conceito tinha de ser não apenas inovador, mas socialmente relevante e duradouro. Estes últimos aspetos são a verdadeira chave para a sustentabilidade real e duradoura”.

“Aliás, isso ajudou a cumprir as regras de zoneamento, que são exigentes”, acrescenta Thomas Widdershoven. “Demorei literalmente anos para que as minhas ideias (reconhecidamente complicadas) fossem aprovadas. Eu sou dono do edifício, mas tive de arrendar o terreno, que é propriedade da cidade. Isto é bastante típico naquilo a que chamo de nosso “Modelo Democrático Neerlandês”: como a cidade é e continua diretamente envolvida num projeto como o nosso, ajuda ter um conceito realmente impermeável, especialmente para um edifício que desafia profundamente as convenções estéticas. Aliás, Amesterdão poderia usar mais alguns escritórios que realmente refletissem as empresas criativas que os utilizam, ao invés de toda aquela arquitetura “contemporânea” das empresas”.

Os painéis Meteon® cumpriram todas as exigências

O revestimento do edifício visava representar um manifesto gráfico para uma empresa que é, ela própria, um estúdio de design gráfico, logo Thomas Widdershoven não deixaria nada ao acaso: “Usámos os painéis Trespa® HPL para efeitos de sinalização como parte de alguns projetos de clientes. Obviamente, eu tinha conhecimento da excelente resistência e durabilidade do material. No entanto, os produtos Trespa® ainda provocam associações com alojamento social das décadas de 70 e 80 nos Países Baixos. Tal deixou-me hesitante no início. No entanto, encomendámos algumas amostras da gama Trespa® Meteon® Lumen. Fiquei imediatamente impressionado com a qualidade dos painéis: Gostei particularmente do acabamento Lumen Diffuse, que é muito bonito e expressivo. Definitivamente, tem um visual e uma sensação de luxo”.

A característica seguinte que acabou por ser bastante cativante foi a palete de cores: “Remon Bakker, o representante da Trespa, foi muito útil, ele é apaixonado pelo produto. Quando apresentou as amostras da gama Meteon®, o seu entusiasmo mostrou-se contagioso! Fiquei estonteado pelo branco imaculado do produto “Athens” e o cinza escuro do produto “New York”. Eram cores muito melhores do que apenas preto e branco, o que eu duvido que tivesse funcionado tão bem. Estes dois tons interagem entre si de uma forma muito mais refinada”. Arjan van Ruyven, o arquiteto responsável pelo estúdio thonik da MMX-architecten, acrescenta: “Quando vi as amostras da gama Meteon®, fiquei instantaneamente impressionado, era exatamente aquilo! Tivemos várias outras amostras no escritório, mas a gama Meteon® Lumen tinha um toque tátil e uma profundidade tonal que eram únicas. O facto de as extremidades do HPL (Laminado de Alta Pressão) serem naturalmente escuras é outra vantagem que vale a pena mencionar: tal tornou-se bastante conveniente. Ajudou-nos a alcançar a definição limpa de cada painel, necessária para preservar a clareza nítida e linear do design”.

Arjan van Ruyven ressalva que o acabamento Diffuse foi também “exatamente o que precisávamos”: os painéis, embora não totalmente mate, refletem apenas uma pequena fração da luz que entra de forma muito subtil, melhorando as cores enquanto evita qualquer interferência com a assinatura gráfica do edifício, a surpreendentemente pele às riscas que unifica as fachadas, as varandas e as escadas diagonais.

Um conceito criativo que precisa de soluções criativas

Arjan van Ruyven descreve o processo de aprovação deste projeto único com um sorriso: “Era uma estrada um tanto sinuosa e escorregadia”. O próximo passo foi encontrar um instalador que fosse capaz de realizar a tarefa. Arjan van Ruyven comenta: “Precisávamos de uma empresa com o conhecimento para fazer as coisas bem e eficientemente, para poupar nos custos, sem qualquer compromisso em termos de execução. Assim que as fachadas ventiladas foram colocadas, o projeto foi totalmente único. Tal exigia um instalador capaz de contribuir com sua própria abordagem criativa”.

Cada painel individual branco ou cinza escuro da gama Meteon® Lumen é bastante pequeno. Assim, fixá-lo diretamente à subestrutura não era o caminho a seguir: as tiras individuais são simplesmente demasiado estreitas. Os módulos consistem em 5-6 faixas que foram pré-instaladas em painéis maiores, o mais longo com 3 metros. Arjan van Ruyven salienta: “Isto teve o benefício adicional de impedir que as tolerâncias de construção inevitáveis interferissem na regularidade do padrão: ajudou-nos a manter a linguagem gráfica agradável e limpa”.

Ainda havia mais um problema a ser resolvido: o design é baseado em linhas contínuas, que se estendem pelos painéis. “Por motivos práticos, tivemos de criar um sistema consistente de folgas nas junções, folgas essas suficientemente largas para fins técnicos sem se tornarem visualmente irritantes. Era tudo uma questão do nível certo de desfasamento. Mas, novamente nesta fase, a solução foi encontrada pela Michon, o instalador que acabamos por nomear responsável pelo projeto”. Thomas Widdershoven continua: “Estávamos em contacto com dois instaladores; o segundo, a Michon, parecia ser mais inteligente e em melhor sintonia com os desafios do projeto: eles tinham uma abordagem decididamente criativa. Tal convenceu-me de que estávamos em boas mãos”.

Um profundo conhecimento do material faz toda a diferença

Ron van der Laak é o diretor geral da Michon B.V., uma empresa especialista em telhados e fachadas de Vianen, um subúrbio de Utrecht. Embora reconheça que o estúdio thonik era efetivamente um projeto exigente, von der Laak ressalta a experiência da sua empresa como um fator-chave: “Criámos um design personalizado em subestrutura, que desenvolvemos especificamente para o estúdio thonik. Isto foi decisivo, pois permitiu-nos instalar os painéis Trespa® Meteon® de uma forma nunca antes utilizada nos Países Baixos. Já usamos os produtos Trespa® há três décadas. Ao longo dos anos concluímos muitos projetos que envolviam painéis da Trespa®-; isso deu-nos uma compreensão profunda do material, das suas possibilidades e das suas restrições técnicas”.

A Michon cortou todos os painéis Meteon® no tamanho correto na sua própria oficina, pois a empresa é experiente e está bem equipada: “Os painéis Meteon® Lumen estão disponíveis em três tamanhos padrão: 3650 x 1860 mm, 2550 x 1860 mm e 3050 x 1530 mm. Aproveitamos esse facto para racionalizar o processo e, em seguida, criámos um sistema próprio para reduzir ainda mais as perdas de corte. Com um projeto complexo como este, é tudo uma questão de eficiência e mestria. Antes de fazermos uma proposta, o ideal é descobrirmos primeiro como lidar com os desafios do caminho: isto era verdade para o processo de corte, que era a parte fácil, e para a subestrutura específica do projeto, que tivemos literalmente de inventar”.

Embora a Michon também instale regularmente revestimentos em fibrocimento (“Tem as suas próprias vantagens”, tal como Ron van der Laak salienta), a empresa aprecia tanto a fiabilidade quanto a resistência dos painéis Trespa® Meteon®. A grande gama de cores é outra vantagem. Além disso, Ron van der Laak salienta: “Inclusive oferecem uma opção decorativa de face dupla para aplicações em que ambos os lados do painel permanecem visíveis”. Ron van der Laak conclui: “Para mim, é óbvio. No que diz respeito ao Laminado de Alta Pressão, não há alternativa real aos painéis para fachadas Trespa®. É, simplesmente o melhor produto do mercado”.

A receita para o sucesso

Bouwbedrijf Van Schaik, uma empresa de construção de Breukelen, no sul de Amesterdão, foi a empreiteira geral do projeto do estúdio thonik. Jarco van Dam, o vice-diretor da empresa, ressalta os desafios específicos do projeto: “A nossa empresa está igualmente envolvida em novos desenvolvimentos e renovações. Aqui, tivemos de construir a partir do zero o que eu chamaria de lote “do tamanho de um carimbo”, que pressupõe restrições próprias, especialmente em termos de logística. Mas sabemos como lidar com uma situação desta natureza e somos bons nisso”.

Para Jarco van Dam, dois critérios colocaram a balança a favor de van Schaik, a proposta competitiva que a sua empresa enviou e, acima de tudo, a confiança agregada à experiência bem estabelecida de Van Schaik: “Trabalhamos principalmente com a nossa própria equipa, o que não é a regra nos empreiteiros em geral, como devem saber. Portanto, quando o projeto é exigente, e o estúdio thonik definitivamente era um deles, certamente temos uma vantagem, porque temos um amplo controlo sobre o que acontece no local. Isto foi ainda mais importante neste caso, pois tivemos de executar o trabalho com a máxima precisão dimensional, para que a Michon instalasse corretamente a fachada ventilada. O edifício possui uma estrutura de cimento pré-fabricado que teve de ser posicionada com muita precisão, pois o design da fachada, com as suas tiras de dois tons pré-montadas em painéis grandes e os seus padrões lineares contínuos, é absolutamente implacável”.

Para Bouwbedrijf Van Schaik, o estúdio thonik não foi o primeiro projeto que contemplou os produtos Trespa®, mas a empresa nunca havia sido confrontada com um design tão rigoroso e incomum. Jarco van Dam comenta: “Já tínhamos feito projetos com fachadas ventiladas com painéis da gama Trespa® Meteon®. O material é amplamente utilizado, é altamente resistente às intempéries, durável e fiável. Quando se escolhem produtos Trespa® não há motivos para preocupação, pois todo o sistema é testado e a fachada irá ficar bonita, sem dúvida alguma. Apesar da complexidade do estúdio thonik estar a um nível próprio e a subestrutura ser definitivamente não-padrão, o resultado final não foi exceção”. Ron van der Laak conclui: “Continuámos a comunicar uns com os outros, entre o arquiteto, o proprietário, o instalador e a nossa própria empresa, e todos fomos muito profissionais. Como resultado, o design do arquiteto e a visão do proprietário tornaram-se 100% realidade. E isto era o que realmente importava e o que fez do estúdio thonik um projeto tão excecional”.